O regresso às escolas e a chegada dos primeiros frios e chuvas faz com que os vírus circulem com mais facilidade, pelo que setembro e outubro costumam ser os meses de mais contágio entre os menores da casa. Contamos-lhe quais são as doenças mais comuns nesta altura do ano e como evitá-las.

Infeções mais comuns no Outono

Bronquiolite

A bronquiolite é uma doença infeciosa do aparelho respiratório causada, na maioria das vezes, pelo VRS (vírus respiratório Sincicial). Esta doença produz uma infeção e inflamação nos brônquios e nos bronquíolos, as vias aéreas que levam o ar para o interior dos pulmões, causando problemas para respirar. É uma doença mais comum em menores de 2 anos e, embora possa aparecer em qualquer momento do ano, é mais comum entre outubro e março.

A bronquiolite começa como um resfriado normal com muco, tosse… e aos dias aparecem os sintomas próprios: febre, cansaço, respiração rápida ou sibilante, falta de apetite, ruídos crepitantes, tosse persistente e intensa, retração das costelas e prostração.

O tratamento é baseado em medidas de alívio, tais como hidratação adequada, lavagem de narinas, antitérmicos e, em casos graves, hospitalização e broncodilatadores.

Boca-mão-pé

A doença boca-mão-pé é causada por um tipo de enterovírus, o vírus Coxsackie, que provoca uma infeção muito contagiosa, cujo sintoma mais comum são pequenas úlceras ou vesículas que aparecem na boca, nas mãos, na área genital e nos pés. Além disso, vem acompanhado de febre e os sintomas podem durar entre 5 e 10 dias. Estas bolhas podem ser muito dolorosas e irritantes, causando problemas para comer, irritabilidade, dores de cabeça, garganta, náuseas, vómitos, falta de apetite, etc. Às vezes, cerca de 5 ou 6 semanas após o aparecimento de lesões na pele, aparecem sulcos transversais amarelos nas unhas que podem cair. 

Não há tratamento, apenas antitérmicos ou analgésicos para tratar a dor e o desconforto.

Resfriado (constipação)

O resfriado (ou constipação) é uma infeção aguda do aparelho respiratório causada na maioria das vezes por vírus, geralmente rinovírus. Os sintomas mais comuns são congestão ou gotejamento nasal, dor de garganta, tosse, espirros, febre leve. O tratamento destina-se a aliviar os sintomas, e por isso podem usar-se analgésicos, anti-inflamatórios, lavagens nasais com soro salino, muitos líquido, repouso, gargarejo com água morna com sal, etc.

Gripe

A gripe é causada pelo vírus da gripe A ou B e é mais comum entre novembro e março. É uma infeção das vias respiratórias altas cujos sintomas são mais incómodos e duradouros do que os do resfriado, incluindo febre alta, calafrios, dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça, fadiga, falta de apetite. Salvo em casos muito raros, não são necessários antivíricos, apenas repouso e medidas de alívio como analgésicos, muito líquido, gargarejo para a dor de garganta, etc. 

Gastroenterite

Os vírus gastrointestinais são facilmente contaminados por contacto estreito com uma pessoa infetada. Os sintomas mais comuns são diarreia, vómitos, náuseas, cansaço e febre, em alguns casos. Estes sintomas geralmente desaparecem sozinhos em 24-48 horas em que é necessário repouso, beber muitos líquidos (de preferência solução de reidratação oral para evitar a desidratação), continuar com o aleitamento materno ou de fórmula no caso de lactentes e começar com uma dieta suave logo que o bebé deixe de vomitar e tenha apetite se tiver mais de 6 meses. Normalmente não são necessários antieméticos ou antidiarreicos.

Como prevenir as infeções virais do outono?

  1. Oferecer uma alimentação equilibrada e variada às crianças maiores de 6 meses rica em frutas e verduras que proporcionam muitas vitaminas e minerais essenciais para o sistema imunológico
  2. Manter as crianças muito bem hidratadas.
  3. Consultar sempre o médico se os sintomas não desaparecerem ou melhorarem em 2 dias ou se houver febre acima dos 40ºC, febre elevada que não baixa em 2 dias, erupções cutâneas, vómitos que não param, problemas para respirar, sonolência, etc. 
  4. Não levar a criança à escola ou centro de tempos livres quando estiver doente para evitar contágios.
  5. Lavar frequentemente as mãos, especialmente antes de comer, depois de ir à casa de banho, ao voltar da escola, etc. A lavagem deve durar uns 2 minutos e é preciso limpar bem cada área da mão.
  6. Vacinar contra a gripe os menores de 6 anos ou todo aquele que o profissional de pediatria considere de risco.
  7. Pôr o cotovelo ao tossir ou espirrar ou usar um papel descartável.
  8. Ventilar as divisões da casa e das salas de aulas todos os dias. 
  9. Manter em casa e na escola uma temperatura constante que não seja muito elevada, à volta de 21º C, e uma humidade de 40-60%. Se não conseguir, coloque um humidificador.
  10. Não fumar em espaços fechados com crianças.
  11. Evitar o contacto com pessoas doentes e os lugares muito fechados e com muitas pessoas.