A noticia de uma gravidez é, na maior parte das ocasiões, motivo de alegria, mas também de incerteza. Com um percurso de nove meses pela frente, as grávidas podem chegar a sentir emoções diferentes que nem sempre sabem controlar. María José Domínguez, psicóloga especialista em questões sobre a gravidez, afirma que a mulher enfrenta um acumular de sentimentos e, em algumas ocasiões, podem reaparecer problemas do passado.

Hoje, falamos-vos destas alterações psicológicas que quase todas as mulheres podem sentir durante a gravidez para que, desta forma, possam assumi-las e melhorar o seu estado de ânimo.

Etapas

Os sentimentos das futuras mães variam em função do tempo de gestação. Segundo Fátima Prieto, psicóloga pré-natal, podemos distinguir três tapas, cada uma associada a um trimestre da gravidez:

Primeiro Trimestre

Os primeiros três meses caracterizam-se por uma intranquilidade constante pela saúde do feto, com o medo de um possível aborto natural, sobretudo entre a sexta e a décima semana.

Nesta etapa, as mulheres enfrentam uma contradição: por um lado, felicidade, devido à noticia da gravidez e o desejo de que o novo membro da família chegue depressa; por outro lado, ansiedade, causada pela preocupação pela saúde do bebé que está a caminho.

Relativamente à parte física, a grávida pode ter episódios de mal-estar geral, vómitos, tonturas ou náuseas, entre outros, assim como uma diminuição do desejo sexual.

Durante este tempo, é importante contar com o apoio dos entes queridos, em especial do companheiro, para obter tranquilidade, fazendo face à nova situação da melhor maneira possível. Mesmo assim, é imprescindível cumprir as recomendações dos especialistas.

Segundo Trimestre

A partir do quarto mês, inicia-se uma fase de estabilização das emoções: as mudanças hormonais já estão estabilizadas e a futura mãe já se adaptou à “já não tão nova” situação da gravidez. Nesta etapa, predominam a tranquilidade e a ausência de males físicos que caracterizavam o primeiro trimestre. O apetite sexual, por seu lado, começa a aumentar.

Nesta etapa, deve aproveitar esta situação de estabilidade para começar a preparar a chegada do bebé. Antes do seu nascimento, devemos fazer conta com tudo aquilo que será imprescindível para o seu dia a dia.

Terceiro Trimestre

Durante os últimos três meses de gravidez regressa o medo, nesta altura, consequência do parto eminente e das dúvidas perante a futura maternidade. A este sentimento somam-se os obstáculos que resultam da gravidez: volume da barriga, dores nas costas, cansaço, falta de sono devido à dificuldade para dormir; problemas que causam variações do estado emocional.

Esta etapa caracteriza-se, para além disso, por um aumento da ansiedade, pois aguarda-se ansiosamente o nascimento do novo membro da família. Como consequência, tem-se a sensação de desaceleração do tempo.

Por isso, durante estes meses, é recomendável preparar-se fisicamente, através da yoga ou pilates, por exemplo, mas também a nível mental, com técnicas que ajudem a futura mamã a relaxar e a manter o controle.

Como Enfrentar Estas Alterações?

Antes de fazer face a estas alterações emocionais, deve entender que a sua situação é normal e, sobretudo, temporária; a instabilidade não é permanente. O seu corpo está a mudar. Os níveis de estrogénios e progesterona duplicaram, o que causa uma diminuição do lado racional da nossa personalidade e um aumento do lado emocional. Este é o motivo pelo qual sente que já não se conhece a si própria.

Com esta ideia em mente, vamos ensinar-lhe técnicas distintas que pode pôr em prática para que, perante estas alterações constantes, sinta que não há nada com que se deva preocupar. A sua prioridade não é só o futuro bebé, mas também disfrutar do tempo que falta para a sua chegada.

  1. Identifique a emoção. É normal que sinta medo perante a nova situação que está a viver, mas… é este medo o seu estado de ânimo mais atual? Temos a certeza que não!
  2. Distinguir entre o que é real e o que não é. As nossas emoções nascem de um pensamento, por isso deve descobrir qual é o pensamento negativo que provoca uma sensação de mal-estar geral. O objetivo deste exercício é que se dê conta que cada um dos seus pensamentos não deixa de ser uma opinião; não tem que ser realidade. Por isso, pode alterá-lo e encontrar o pensamento positivo que a ajude a melhorar o seu estado de ânimo.
  3. Dê importância ao que realmente é importante. Com as hormonas em revoluções, é possível que prestemos demasiada atenção a coisas que, realmente, não são tão relevantes. Um comentário ou gesto que, em outras ocasiões passariam despercebidos, podem ser um autêntico problema no teu estado. Lembre-se: o importante não é o que sucede, mas sim como o enfrentamos.
  4. Preste atenção ao seu corpo. O corpo é sábio e, como tal, irá indicar-nos a todo o momento quais são as nossas necessidades. Tome atenção, portanto, a cada sinal, com o objetivo de que atuar da maneira correta. Necessita de descansar? Necessita de relaxar? Necessita de comer? Seja qual for a sua necessidade, cumpra-a. Desta forma, aprenderá a gerir as alterações emocionais.
  5. Aproveite o exercício. Toda a atividade física, adaptada ao teu estado, pode ajuda-la a libertar-se desse mal-estar que a acompanha. A yoga, a meditação ou pilates são uma boa forma de dizer adeus às suas emoções.
  6. Encontre o apoio que necessita. É você que tem um futuro bebé no seu interior, mas não tem que fazer face à gravidez sozinha. Apoie-se nos seus entes queridos e, sobretudo, no seu companheiro. Se sente que necessita de terapia, não hesite em fazê-lo. O importante é que se sinta bem consigo mesma durante a gravidez.

Leave a Replylascia un commento