O período de amamentação é uma etapa importante, não só para a mãe, mas também para o bebé. O leite materno contém numerosos nutrientes que melhoram o sistema imunológico dos mais pequenos e, a longo prazo, a sua saúde: previne alergias, reduz o risco de padecer de obesidade, diminui a possibilidade de sofrer de problemas respiratórios…

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda-se que o bebé se alimente exclusivamente de leite materno durante os primeiros seis meses.

No entanto, existe a hipótese de que, desde o seu nascimento, a mãe não possa alimentar o bebé por variados motivos: questões laborais, falta de produção de leite (hipogalactia), bebé prematuro que não tenha desenvolvido completamente a sua capacidade de sucção, etc. Mas também pode ser que, passados os seis meses, a mãe decida não continuar com a amamentação e procure uma nova forma de alimentar o seu bebé. Nestes casos, o leite de fórmula tem um papel fundamental.

Para os que não têm conhecimento prévio, o leite de fórmula é uma alternativa ao leite materno. Trata-se de uma preparação láctea, desenvolvida por profissionais de nutrição infantil, que conta com nutrientes semelhantes aos do leite materno para garantir o correto desenvolvimento dos mais pequenos.

Hoje, contamos-lhe tudo o que necessita saber sobre o leite de fórmula para que possa escolher a opção que melhor se adapte às características e necessidades do seu bebé.

Que nutrientes contém?

O leite de fórmula, como já comentámos, contém numerosos nutrientes semelhantes ao leite materno. De seguida, mencionamos os principais:

Gordura

O leite de fórmula contém óleos diferentes com o objetivo de se assemelhar à gordura (saturada, monoinsaturada y polinsaturada) que o leite materno tem. Entre estes óleos encontram-se o óleo de coco, milho, soja ou de girassol.

Aqui, há a destacar que, quanto menos óleos vegetais conter e mais gordura natural do leite conservar, melhor será o leite de fórmula. As que são feitas a partir do leite de vaca por exemplo, contam com mais óleos vegetais que as de outro tipo, como por exemplo as do leite de cabra, que mantêm mais de 55% das gorduras naturais.

Proteínas

O leite de fórmula possui um conjunto de proteínas parecido ao do leite materno. Há alguns, inclusive, que contam com 100% de soro, o que pode oferecer vantagens para os bebés que sofrem de refluxo, já que a coalhada é mais suave e por isso digere-se melhor.

Carboidratos

No leite materno, a principal fonte de carboidratos é a lactose, como nos leites de fórmula, seguida da maltodextrina de milho. As fórmulas que não contêm lactose recorrem, entre outros, a carboidratos como o amido de milho modificado, a sacarose ou a já mencionada maltodextrina de milho.

Vitaminas e Minerais

Até terem um ano, os bebés devem consumir pelo menos 4 miligramas de ferro por cada litro de leite com a finalidade de evitar a anemia, por isso podemos recorrer a um leite de fórmula reforçado com ferro. O leite de fórmula para além disso, contém vitaminas como a B e a C.

Que leite de fórmula deverá beber o meu bebé?

Para escolher um leite de fórmula, temos que ter em conta dois aspetos fundamentais: Forma Física e Tipo.

Forma física

Podemos encontrar o leite de fórmula à venda em três estados físicos diferentes para consumo:

  • Para consumo imediato – É a fórmula mais recomendada, já que vem pronta a beber, sem necessidade de misturar ou medir os ingredientes. Se o bebé nasceu com um sistema imunológico delicado ou com pouco peso, é a opção ideal. Depois de aberta, deve ser consumida em 48 horas.
  • Em pó – É o leite mais económico e, para além disso, tem uma validade de nove meses depois de aberto. Para prepará-lo, devemos ler com cuidado as instruções que nos indicam na embalagem. Como elemento chave, há a destacar que podemos preparar a quantidade que desejamos cada vez que precisamos.
  • Concentrado –Com este tipo de leite, devemos misturar água e fórmula em partes iguais, pelo que devemos prestar especial atenção às instruções.

Tipos

Ainda que a fórmula de leite de vaca seja a mais consumida nos dias de hoje, existem outros tipos de fórmula também eles interessantes para o seu bebé. A seguir, mencionamos os principais:

  • Sem lactose – É perfeita para os bebés que têm intolerância à lactosa – açúcar natural que o leite contém – ou não podem digeri-la bem. Em vez dele, esta fórmula tem outro tipo de açúcar, como por exemplo o xarope de milho.
  • Hidrolisada – A fórmula hidrolisada é adequada para bebés que têm alergias ou têm dificuldade para absorver os nutrientes. Neste tipo, decompõem-se as proteínas em moléculas mais pequenas, pelo que se digerem com maior facilidade.
  • Anti-regurgitação – Trata-se de um leite de fórmula mais espesso, ideal para os bebés que sofrem de refluxo gastroesofágico.
  • Para bebés prematuros – Como comentávamos no inicio deste artigo, é possível que o leite de fórmula tenha que ser uma alternativa à amamentação se o bebé nascer prematuro. Esta fórmula contém mais calorias e proteínas que o normal.
  • À base de soja – É a fórmula ideal para os bebés que não podem digerir bem as proteínas do leite de vaca. A grande diferença desta fórmula é que contém uma proteína vegetal
  • À base de leite de cabra*. A maioria das fórmulas infantis são feitas à base de leite de vaca, já que a sua produção é maior. Com Capricare, temos o primeiro leite de continuação feito à base de leite inteiro de cabra. Se questionar o porquê de ser uma boa opção, a resposta é muito simples: entre elas, é o leite mais parecido ao leite materno pelo tipo de secreção o que faz com que contenha mais bioativos naturais, nucleótidos e outros nutrientes. É mais digestivo e por isso reduz as cólicas e regurgitações. Conta com um processo de fabricação mais natural conservando os nutrientes naturais do leite. E pelo tipo de gorduras reduz a prisão de ventre já que se absorbe melhor na barriguita do bebé.

* Já à venda em Portugal

Leave a Replylascia un commento